SEJA BEM VINDO ! VOCÊ É O VISITANTE Nº:

domingo, 20 de janeiro de 2013

LEGISLAÇÃO: PROFESSOR DE APOIO A GESTÃO PEDAGÓGICA


RESOLUÇÃO SE 3, de 18-01-2013

Dispõe sobre mecanismos de apoio à gestão pedagógica da escola para implementação de ações  estabelecidas pelo Programa Educação - Compromisso de São Paulo

O Secretário da Educação, considerando: o compromisso desta Pasta de reduzir a desigualdade de desempenho educacional existente em  unidades escolares que apresentam condições operacionais adversas; a relevância da adoção de mecanismos de apoio à gestão pedagógica da escola, para atender a  esse compromisso; a necessidade de se desenvolver ensino que propicie significativa aprendizagem para os alunos; a importância que a implementação de uma metodologia de trabalho, adequada às ações  didático-pedagógicas, representa para  as escolas no enfrentamento de suas vulnerabilidades  operacionais,
Resolve:
Artigo 1º - Ficam disponibilizados às escolas da rede pública estadual, com aulas/classes de  ensino regular, mecanismos de  apoio à gestão pedagógica, necessários a uma organização  escolar centrada no desenvolvimento de ensino que propicie efetiva aprendizagem do aluno, nos  termos da presente resolução.
Parágrafo único – A implementação de mecanismos de apoio à gestão pedagógica da escola, de  que trata a presente resolução, dar-se-á, em 2013, em todas as escolas consideradas prioritárias  e nas Escolas de Tempo Integral – ETIs.
Artigo 2º - Os mecanismos de apoio à gestão pedagógica da escola deverão apresentar uma  abordagem metodológica  que  busque reverter a desigualdade de ensino e de aprendizagem  diagnosticada, pautando-se  na necessidade de procedimentos  didático-pedagógicos  diferenciados, imprescindíveis à implementação de ações a serem desenvolvidas por  profissionais em funções de coordenação pedagógica.
Artigo 3º - A gestão pedagógica nas unidades escolares  desenvolver-se-á por ações e esforços  protagonizados pelos integrantes  dos postos de trabalho de Professor Coordenador que  compõem o núcleo gestor da escola, organizada, na seguinte conformidade:
I – 1 (um) Professor Coordenador de apoio à gestão pedagógica no ensino fundamental e médio;
II – 1 (um) Professor Coordenador para os anos iniciais do ensino fundamental;
III - 1 (um) Professor Coordenador para os anos finais do ensino fundamental; e
IV – 1 (um) Professor Coordenador para o ensino médio.
Artigo 4º – A função de Professor Coordenador deverá ser exercida organicamente articulada, implicando a aceitação, pela  unidade escolar, da atuação concomitante dos profissionais que  integram seu núcleo gestor, organizada na seguinte conformidade:
I  - escolas que  mantêm, com exclusividade, os anos iniciais do ensino fundamental poderão  contar com 1 (um) Professor Coordenador;
II - escolas que mantêm, com exclusividade, os anos finais do ensino fundamental poderão contar  com 1 (um) Professor Coordenador  de apoio à gestão pedagógica e com 1(um) Professor  Coordenador dos anos finais do ensino fundamental;
III - escolas que mantêm, com exclusividade, as séries do ensino médio poderão contar com  1  (um) Professor Coordenador de apoio à gestão pedagógica e com 1 (um) Professor Coordenador  das séries do ensino médio;
IV  - escolas que mantêm, com exclusividade, os anos iniciais e finais do ensino fundamental poderão contar  com 1 (um) Professor Coordenador de apoio à gestão pedagógica; com 1 (um)  Professor Coordenador nos anos iniciais do ensino fundamental e com  1 (um) Professor  Coordenador dos anos finais;
V - escolas que mantêm os anos iniciais e finais do ensino fundamental e o ensino médio poderão  contar com 1 (um) Professor Coordenador de apoio à gestão pedagógica da escola; 1 (um)  Professor Coordenador para os anos iniciais do ensino fundamental; 1 (um) Professor Coordenador para os anos finais do ensino fundamental e 1 (um) Professor  Coordenador para as séries do ensino médio.
Artigo 5º - Constituem-se atributos necessários ao docente no exercício de Professor  Coordenador:
I  - apresentar competência como gestor pedagógico, sendo capaz de planejar, acompanhar e  avaliar os processos de ensinar e aprender, bem como o desempenho de gestores, professores e  alunos;
II  - ter dinamismo, espírito de liderança e saber se relacionar com os demais profissionais da  escola, de forma cordial e organizada;
III - saber trabalhar em equipe como parceiro;
IV - conhecer as concepções que subsidiam práticas de gestão e curriculares, tais como de gestão  democrática e participativa,  bem como concepções pertinentes às áreas e disciplinas que  compõem o currículo dos níveis e modalidades de ensino;
V – promover a integração horizontal e vertical do currículo no ensino fundamental e médio;
VI  – estimular abordagens multidisciplinares, por meio de metodologia de projeto e ou de  temáticas transversais significativas para os alunos;
VII - ter atitudes proativas no sentido de melhorar sua própria formação profissional, bem como a dos demais gestores e professores;
VIII – analisar índices e indicadores externos de avaliação de sistema e desempenho da escola,  para tomada de decisões em relação à proposta pedagógica e projetos desenvolvidos no âmbito  da escola;
IX – analisar indicadores internos de frequência e avaliação da aprendizagem dos alunos, tanto  da avaliação da aprendizagem  em processo quanto das avaliações realizadas pelos respectivos  docentes, de forma a promover ajustes contínuos das ações de  apoio necessárias à  aprendizagem.
Artigo 6º - São atribuições específicas do Professor Coordenador de apoio à gestão pedagógica, além das atribuições inerentes ao respectivo posto de trabalho:
I - coordenar a elaboração, o desenvolvimento, o acompanhamento e a avaliação da proposta  pedagógica, juntamente com professores e demais gestores da unidade escolar, em consonância  com os princípios de uma gestão democrática participativa e das disposições curriculares, bem  como dos objetivos e metas a serem atingidos;
II - promover a integração horizontal e vertical do currículo, assegurando conteúdos e formas de  operacionalização articuladas  para os dois segmentos do ensino fundamental e para o ensino  médio;
III  - atuar colaborativamente com o Professor Coordenador do segmento correspondente aos  anos iniciais e/ou finais do ensino  fundamental e/ou do ensino médio, orientando, acompanhando e intervindo, se necessário, nas atividades desenvolvidas pela coordenação;
IV - tornar as ações de coordenação pedagógica um espaço dialógico e colaborativo de práticas  gestoras e docentes, que assegurem:
a) a participação proativa de todos os professores, nas horas de trabalho pedagógico coletivo, promovendo situações de orientação sobre práticas docentes, de acompanhamento e avaliação das propostas de trabalho programadas;
b) a vivência de situações de ensino, de aprendizagem e de avaliação ajustadas aos conteúdos e às necessidades e possibilidades metodológicas utilizadas pelos professores;
c) a otimização do uso de materiais didáticos, previamente selecionados e  organizados, adequados às diferentes situações de ensino e de aprendizagem dos alunos;
d) a divulgação e o intercâmbio de práticas docentes bem sucedidas e que façam uso de recursos tecnológicos e pedagógicos disponibilizados nas escolas;
e) a participação, juntamente com os demais Professores Coordenadores e com os professores, na elaboração de atividades de  recuperação, capazes de promover progressivos avanços de aprendizagem.
Artigo 7º - Para o exercício da função de Professor Coordenador de apoio à gestão pedagógica da  escola, de que trata o inciso I do artigo 3º desta resolução, o docente deverá:
I  - ser portador de licenciatura plena em Pedagogia e participar do processo seletivo/classificatório a ser organizado, executado e avaliado por comissão a ser designada pelo Dirigente Regional de Ensino;
II - contar, no mínimo, com 3 (três) anos de experiência no magistério da Secretaria de Estado da Educação;
III - ser docente efetivo de unidade escolar pertencente à Diretoria de Ensino em que ocorrerá a  designação, inclusive podendo se encontrar na condição de adido ou de readaptado, sendo que a designação, no caso de readaptado, somente poderá ocorrer após pronunciamento favorável da Comissão de Assuntos de Assistência à Saúde da Secretaria de Gestão Pública – CAAS; ou
IV  - ser docente ocupante de função-atividade abrangido pelo § 2º, do artigo 2º, da Lei Complementar 1.010/2007, com sede de controle de frequência em unidade escolar da Diretoria de Ensino em que se dará a designação, mesmo que se encontre sem aulas atribuídas, cumprindo apenas horas de permanência, desde que tenha sido aprovado no Processo Seletivo Simplificado que integra o processo anual de atribuição de classes e aulas.
Artigo 8º – Constituem-se componentes do processo de designação do Professor Coordenador de apoio à gestão pedagógica da escola:
I – formação de comissão mista constituída por representantes da unidade escolar e da Diretoria de Ensino, que se responsabilizará pelo processo seletivo;
II – fixação, pela referida comissão, dos critérios que presidirão o processo seletivo, que deverá prever, dentre outros itens:
a) análise do currículo acadêmico e da experiência profissional do candidato;
b) compatibilização entre o perfil do candidato, sua qualificação profissional e a natureza das atribuições relativas ao posto de trabalho a ser ocupado;
c) realização de entrevista individual;
d) disponibilidade de tempo do candidato para cumprimento do horário de coordenação e para investir na própria qualificação e atender às atividades de formação continuada propostas pela Diretoria de Ensino e pelos órgãos centrais;
e) seleção e indicação, pela comissão, do candidato que melhor atender aos requisitos estabelecidos;
f) elaboração do cronograma das atividades/procedimentos que compõem o processo de seleção e designação do Professor Coordenador de apoio à gestão pedagógica da escola.
Artigo 9º - A carga horária para exercício das atribuições do Professor Coordenador de apoio à gestão pedagógica será de 40  (quarenta) horas semanais, distribuídas por todos os dias da semana e com horário de atendimento em todos os turnos de funcionamento da escola.
Artigo 10 - Os Professores Coordenadores farão jus ao pagamento da Gratificação de Função, instituída pela Lei Complementar  1.018, de 15-10-2007, observada a proporcionalidade correspondente à carga horária das respectivas designações.
Artigo 11 – As designações para posto de trabalho de Professor Coordenador, na conformidade do disposto nesta resolução, bem como suas cessações, dar-se-ão por ato do Dirigente Regional de Ensino.
§ 1º  - A designação para o posto de trabalho de Professor Coordenador de apoio à gestão pedagógica será efetuada após a seleção e indicação do candidato pela comissão prevista no inciso I do artigo 9º da presente resolução.
§ 2º  - A designação para o posto de trabalho de Professor Coordenador, nos termos desta resolução, terá a duração de, no máximo, 1 (um) ano letivo, podendo, a cada final de ano, ser prorrogada, mediante recondução do docente designado.
§ 3º - A recondução do docente, de que trata o parágrafo anterior, dar-se-á após avaliação, pelo núcleo gestor da escola, do desempenho do docente, que ocorrerá no mês de dezembro de cada ano, devendo ser, referendada pelo Conselho de Escola e  instruída com parecer favorável do Supervisor de Ensino da unidade escolar, para homologação do Dirigente Regional de Ensino.
Artigo 12 - Os Professores Coordenadores usufruirão férias regulamentares juntamente com seus pares, observados os requisitos legais para fruição do benefício.
Artigo 13 – Tratando-se do ato de designação e de exercício de Professor Coordenador dos anos iniciais e finais do ensino fundamental e do ensino médio, de que tratam os incisos II, III e IV do artigo 3º desta resolução, permanecem inalterados os atos normativos vigentes.
Artigo 14 - Esta resolução entra em vigor na data de sua publicação, ficando revogadas as disposições em contrário.
D.O.E. – Executivo I – 20-01-2013 – Página 22

Nenhum comentário: